segunda-feira, 16 de maio de 2011

terapia capilar para caspa e seborréia

“TERAPIA CAPILAR PARA QUEDA, CASPA E SEBORRÉIA”



Calvície Feminina

Ao contrário do que muitos imaginam a calvície calvície não é um problema que afeta apenas o sexo masculino. Uma em cada cinco mulheres irá apresentar algum grau de calvície, que por menor intensidade que seja, poderá trazer um grande incômodo, já que a calvície é socialmente aceita no sexo masculino, mas não no sexo feminino.

Na mulher, a manifestação clínica da queda capilar tende a ser mais sutil e existe a possibilidade de camuflar pequenas áreas calvas com o tipo de penteado. Outra diferença em relação aos homens é que no sexo feminino a perda de cabelo tende a ser mais difusa, ocorrendo em todo o couro cabeludo ou se concentrar no topo da cabeça, mantendo a linha anterior frontal (franja) preservada.

Nos homens a imensa maioria dos casos de perda capilar possui causa genética, nas mulheres as causas da perda capilar podem ser mais complexas, de diagnóstico mais difícil, podendo os fatores causais estarem atuando conjuntamente.

Fatores que podem influenciar a queda capilar incluem: dietas radicais e mal orientadas, já que o cabelo é formado principalmente por proteínas e sua manutenção depende de sais minerais como o ferro e o zinco, assim a falta desses nutrientes pode levar a queda de cabelo. O envelhecimento e a menopausa também contribuem para a queda capilar. A diminuição dos níveis hormonais provoca o enfraquecimento dos cabelos levando a queda. Ainda uma série de situações que podem levar a perda capilar como: pós parto, doenças da tireóide, infecções fungicas,quimioterapia, alopecia areata, estresse, tricotilomania ( hábito de arrancar os cabelos), uso de produtos impróprios para o cabelo, medicamentos e outras. Desse modo, é fundamental a avaliação de um especialista para que o diagnóstico correto seja feito e assim, o melhor tipo de tratamento seja instituído, seja ele clínico ou cirúrgico.

Embora no sexo feminino exista uma série de situações que podem causar a perda capilar, a principal causa também é genética, como no homem, porém com menor freqüência . No sexo masculino, 99% das vezes a calvície é genética, já no sexo feminino, em torno de 70 %. Existem três graus de intensidade de calvície feminina segundo a classificação de Ludwing. Grau I:rarefação leve, observando um defeito central no cabelo. Grau II: Rarefação mais pronunciada, permitindo se visualizar o couro cabeludo. GrauIII:estágio final, onde a calvície está completa.
Na maioria das vezes, o cabelo não precisa nem ter passado por tratamentos químicos para sofrer quedas. Os motivos para a queda dos cabelos podem ser vários, desde o estresse, má alimentação e até mesmo ser provocada pela lavagem diária com água quente.

Para amenizar este problema, a terapia capilar pode ser uma grande aliada. Trata-se de um exame detalhado, que analisa os fios do cabelo e o couro cabeludo. Com a ajuda de uma microcâmera, pode-se observar na tela do computador detalhes do couro cabeludo que não podem ser vistos a olho nu.

publicidade
Mas para que serve a terapia capilar?
Vendo de perto o couro cabeludo e com o diagnóstico capilar é possível saber quais substâncias devem ser aplicadas nos cabelos para agir contra a caspa, oleosidade excessiva, fragilidade dos fios e seborréia. Além disso, a terapia capilar ajuda a preparar os fios para futuros processos químicos, evitando assim a queda dos cabelos e fazendo que eles voltem a ficar bonitos e saudáveis novamente.

Esse processo deve ser feito por um especialista no assunto. Seu cabeleireiro primeiramente terá que conhecer seus hábitos diários e em seguida diagnosticar o seu couro cabeludo.

Para dar início ao procedimento da terapia capilar, é usado um pente esterilizado para separar os fios e analisar sua espessura. Dependendo do estado dos fios, é feito um tratamento de urgência com produtos específicos. Para casos graves, como quedas avançadas, são necessárias até doze sessões com intervalos de uma semana entre cada análise. Casos mais graves devem ser acompanhados por um dermatologista.

Nenhum comentário: